À conquista

Miguel Leite

 

Como os nossos egrégios Avós,

naveguemos nesse espelho a imaginação.

Porque tudo é mentira e verdade.

Sejamos sempre de nós saudade,

rumo à realidade a sós,

sonhando na água fria o chão.

(E vendo nela o céu reflectido.)

O passado é indefinido e

o futuro uma presente surpresa.

Podemos ser ou não ser.

O coração acolhe a dor,

dando a sua beleza,

à conquista do amor.

Entrega-se à incerteza,

certo de, por ela, bater.

Este bater

é revolto e calmo como o mar.

Abissal e misterioso…

Só vence quem aí se perder,

e sem terra ver, ser o lugar

em que ela brota, seu esplendoroso

chão, para se elevar.

Usted no tiene permisos para dejar comentarios, tiene que registrarse. Gracias.

Formulario de acceso

Introduce tus datos.

Si deseas publicar o hacer comentarios puedes registrarte.

Poemas preferidos

Búsqueda

En línea

Hay 193 invitados y ningún miembro en línea